Licenciamento IBM em Ambientes Virtualizados

Hoje em dia praticamente todas as empresas usam alguma forma de virtualização nos seus servidores, e isso pode afetar o licenciamento dos softwares.

A IBM utiliza uma forma de licenciamento conhecida como PVU (falei sobre isso nesse post), em que o cliente paga pelo software de acordo com o poder de processamento do servidor.
Então em ambientes virtualizados nada mais justo do que pagar somente pela fração do processador que a máquina virtual está utilizando.

Pensando nisso, a IBM possui uma forma de licenciando que se chama Passport Advantage Virtualization Capacity (Sub-capacity) Licensing.
Para poder utilizar essa forma de licenciamento há 4 requisitos:

  • Usar um produto que não esteja nessa lista
  • Usar uma tecnologia de virtualização que esteja nessa lista
  • Usar um processador que esteja nessa lista
  • Manter documentação de uso dos PVUs dos últimos 2 anos para fins de auditoria

Muitos clientes acabam esquecendo ou negligenciando o requisito de manter uma documentação do uso de PVUs dos últimos 2 anos.
Existem algumas formas de gerar essa documentação: ILMT, ITLCM, TADd ou mesmo por meio de planilhas manuais.

 

Recomendo o uso do IBM License Metric Tool (ILMT). O ILMT é gratuito.
Basta que o cliente faça o pedido do part number D561HLL pelo IBM Passport Advantage.
Após o pedido ele terá acesso ao download do ILMT e de todos os componentes necessários para o funcionamento dele (DB2, WAS, agentes, etc).

 

E como calcular os PVUs em um ambiente virtualizado?
Basta utilizar a tabela de PVUs e considerar apenas os cores designados para a máquina virtual.
Veja exemplo:

PVU Sub-Capacity

One Comments

  • Anderson

    October 28, 2013

    Great post man, it is all what i need..

    Reply

Leave a Reply